sábado, 27 de agosto de 2016

Galhardo exalta postura da Ponte e cutuca Corinthians: "2 a 0 foi pouco"

Meia não concorda com reclamações corintianas, principalmente após a expulsão de Balbuena, e mira vaga na Libertadores: "Em 116 anos nunca disputou. Seria histórico"



Vencer o Corinthians com autoridade empolgou alguns jogadores da Ponte Preta, entre eles o meia Thiago Galhardo. Um dos principais nomes do triunfo por 2 a 0 (clique aqui e veja as notas dos atletas), o camisa 10 disse que o placar foi até pequeno pelo volume de jogo apresentado pela Macaca.

VEJA COMO FOI A VITÓRIA DA PONTE SOBRE O CORINTHIANS
Ponte Preta x Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)Galhardo festeja com Clayson o segundo gol da Macaca contra o Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)

– 2 a 0 ficou até pouco pelo que foi. Lá (em São Paulo) eles conseguiram fazer um grande jogo [o Corinthians venceu por 3 a 0 no primeiro turno], mas aqui eles sofreram – analisou o meia, sem concordar com reclamações do adversário com a arbitragem deste sábado, em Campinas.
O lance mais polêmico aconteceu quando o jogo ainda estava empatado em 0 a 0. Balbuena fez falta em Roger e foi expulso. A Ponte, que já era superior, aproveitou a vantagem numérica para construir a vitória com ainda mais autoridade. O artilheiro abriu o placar, e Clayson fez o segundo.

– Se apertasse o pé poderia ter feito mais. Mas tinha que rodar a bola, estava muito calor e quem tinha que correr atrás era o Corinthians. A Ponte vem sendo forte. Mostramos nosso valor aqui dentro – disse Clayson, que também se destacou no Moisés Lucarelli.

>> VC DÁ NOTA: avalie os destaques da Ponte na vitória deste sábado
O resultado mantém a Ponte entre os primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, agora com 34 pontos, em sétimo lugar. Para Galhardo, o desempenho na temporada credencia o elenco a sonhar com uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores da América, o que seria algo inédito na história alvinegra.

– Hoje era divisor de águas. Em 116 anos a Ponte nunca disputou uma Libertadores. Seria um fato histórico, é o que sonhamos – afirmou o camisa 10.

A Ponte volta a jogar somente no dia 7 de setembro, contra o Flamengo, um dos postulantes à Libertadores, em Cariacica, no Espírito Santo. O elenco ganha alguns dias de folga, por causa dos compromissos da seleção brasileira nas Eliminatórias da Copa de 2018, e volta a treinar no Moisés Lucarelli na próxima quarta-feira.

Ponte Preta x Corinthians (Foto: Marcos Ribolli)Roger marcou o primeiro gol da Macaca contra o Corinthians, neste sábado, no Moisés Lucarelli (Foto: Marcos Ribolli)

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Vitória simples recoloca Corinthians no G-4; Cristóvão prevê entra e sai


Beneficiado pelas derrotas de Grêmio e Santos, Timão pode retornar ao grupo dos primeiros se vencer o Vitória por qualquer placar. Técnico entende a oscilação


Cristóvão Borges Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians)Cristóvão Borges vive fase difícil no Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr. / Agência Corinthians)
Último dos primeiros colocados do Brasileirão a entrar em campo, já que enfrenta o Vitória na noite desta segunda-feira, às 20h, em Itaquera, no complemento da 21ª rodada, o Corinthians depende de uma vitória para ser terceiro colocado.
Quinto colocado com 34 pontos no início da rodada,  oTimão pode se beneficiar pelo confronto direto entre Flamengo e Grêmio, vencido pelos cariocas por 2 a 1 e também pela derrota doSantos por 2 a 1 para o Coritiba, fora de casa.
Se vencer a partida, o Corinthians deixa o sexto lugar que passou a ocupar no fim de semana, supera o Tricolor gaúcho (35 pontos) e o Peixe (36 pontos), e se iguala aos 37 dos rubro-negros, com vantagem no saldo de gols. A diferença é 10 a 4.
Alvo de protestos da torcida e com o time sem vencer nas últimas três rodadas, o técnico Cristóvão Borges minimizou a queda na tabela nas últimas rodadas e previu um entra e sai no grupo dos quatro primeiros colocados por conta do grande equilíbrio da competição em 2016.
– Todos os clubes já estiveram fora do G-4, ganharam e voltaram, exceto talvez o Palmeiras. Com a gente vai ser da mesma forma. Uma vitória e voltamos para o G-4 – afirmou, na sexta-feira.
Nas 20 primeiras rodadas do Brasileirão, o Corinthians terminou 14 no G-4. Foram duas na primeira posição, cinco na segunda, três na terceira e quatro outras na quarta colocação.
Veja os detalhes do próximo jogo:

Próximo adversário: Vitória
Local: Arena Corinthians, São Paulo
Data e horário: segunda-feira, às 20h (de Brasília)
Escalação provável: Cássio, Fagner, Yago, Balbuena e Uendel; Bruno Henrique e Elias; Marquinhos Gabriel, Rodriguinho e Romero; Guilherme
Pendurados: Guilherme, Uendel, Yago, Luciano, Pedro Henrique, Rodriguinho, Bruno Henrique e Giovanni Augusto
Arbitragem: Bruno Arleu de Araújo (RJ), Dibert Pedrosa Moises (RJ) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)
Desfalque: Danilo
Tempo Real: GloboEsporte.com, a partir das 19h

Santos bate a Ponte na Vila Belmiro e se aproxima do líder Palmeiras

Em partida marcada pelo retorno de Ricardo Oliveira após dois meses em recuperação de uma lesão, o Santos bateu a Ponte Preta por 3 a 1, neste sábado, na Vila Belmiro. Os gols do time da casa foram marcados por Victor Ferraz, Vitor Bueno e Gabigol. Roger descontou para os visitantes. 
Com a vitória, o Santos alcançou os 26 pontos na tabela e ficou a três do líder Palmeiras, que desafia o Internacional neste domingo. A Ponte dorme na 7ª posição, com 23 pontos. 
Na quarta-feira, às 21h45, o Santos vai ao Bezerrão para enfrentar o Gama, pela Copa do Brasil. A Ponte terá mais tempo para se recuperar, já que recebe o Internacional, pelo Brasileiro, no próximo domingo, às 11h. 
Gabigol vai bem e deixa sua marca 
Em sua última partida antes de se apresentar à seleção olímpica, Gabigol provou novamente sua importância para o Santos. Aberto pelo lado direito, o camisa 10 mostrou muita movimentação ao longo do jogo, acertou passes interessantes e foi oportunista no lance do terceiro gol. Na comemoração, beijou o símbolo do Peixe no gramado.

Douglas Grolli falha e abre caminho para vitória santista

Herói da vitória da Ponte contra o Sport, na rodada anterior, Douglas Grolli esteve perdido em meio à movimentação dos santistas no primeiro tempo. No lance do gol de Victor Ferraz, o zagueiro só observou o lateral cabecear para as redes. No segundo tempo, a bola passou entre as pernas do defensor pontepretano antes de chegar a Vitor Bueno, que empurrou para o gol vazio e deixou o Santos em situação confortável no duelo.

Santos começa pressionando, mas cai de produção no 1º tempo

O Santos começou a partida com uma pegada forte. A movimentação intensa e as trocas de passes envolventes dos donos da casa confundiram a Ponte, que passou boa parte do primeiro tempo acuada em seu campo de defesa.

Renato, mais recuado que Thiago Maia, era o responsável por iniciar a saída de bola. Lucas Lima, com liberdade, coordenou a transição do meio-campo para o ataque. Gabigol, aberto pela direita, foi uma ameaça constante aos pontepretanos.

A pressão santista surtiu resultado aos 21 minutos da etapa inicial. Vitor Bueno, cada vez melhor na bola parada, cobrou falta na trave de João Carlos. No rebote, Vitor Ferraz, sem marcação, apareceu no meio da área e cabeceou para as redes.

No final da etapa inicial, a Ponte reagiu e passou a incomodar o Santos. Aos 42, os visitantes, na única oportunidade concreta de gol que tiveram nos primeiros 45 minutos, quase chegaram ao empate. William Pottker bateu com firmeza e obrigou Vanderlei a fazer defesa difícil.

Dirigente do Barcelona vai à Vila para ver Lucas Lima

Robert Fernández, diretor do Barcelona, esteve na Vila Belmiro para observar o desempenho do meia Lucas Lima. André Cury, representante do clube na América do Sul, acompanhou o duelo ao lado do representante dos catalães. Um emissário do Borussia Dortmund também marcou presença no estádio alvinegro.

Premiére/Reprodução

R. Oliveira dá assistência em seu retorno
Recuperado de uma tendinite no joelho direito, o atacante Ricardo Oliveira voltou ao time do Santos neste sábado e teve seu nome muito gritado na Vila Belmiro. O camisa 9 não entrava em campo desde a segunda partida da final do Campeonato Paulista, contra o Audax, no dia 8 de maio. Mesmo com dores no joelho, ele marcou o gol que deu o título estadual ao clube alvinegro. A lesão impediu o veterano de disputar a Copa América Centenário com a seleção brasileira.

Apesar de tentar abrir espaço para os companheiros de equipe, a atuação de Ricardo Oliveira no primeiro tempo foi discreta. Na melhor oportunidade que teve, aos 36 minutos, recebeu cruzamento de Gabigol e, da grande área, chutou para fora. No segundo tempo, o camisa 9 cresceu de produção e foi fundamental na jogada do gol de Vitor Bueno. Acostumado a receber assistências, o veterano deixou Vitor Bueno em ótimas condições para ampliar o placar.

Trio olímpico se despede do Santos

O duelo contra a Ponte Preta marcou a despedida de Gabigol, Thiago Maia e Zeca, que disputarão os Jogos Olímpicos pela seleção brasileira. A CBF negou o pedido do clube para liberar o trio para o jogo contra o Gama, na próxima quarta-feira, pela Copa do Brasil. Assim, os jovens se apresentam a Rogério Micale na segunda-feira, em Teresópolis, onde será feita a preparação para a Olimpíada.
A Olimpíada pode tirar Zeca, Thiago Maia e Gabigol do Santos por até oito jogos – considerando os compromissos do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil.

Caras novas na Ponte

Os meio-campistas Maycon, emprestado pelo Corinthians, e Wendel, com passagens por Cruzeiro, Santos, Vasco e Sport, estrearam com a camisa da Ponte Preta neste sábado. O ex-corintiano e o veterano, campeão paulista em 2006 pelo time da Vila Belmiro, são apostas do técnico Eduardo Baptista para resolver a carência da equipe campineira no setor.

FICHA TÉCNICA
SANTOS 3 x 1 PONTE PRETA
Horário: 16/07/2016, às 18h30 (horário de Brasília)
Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)
Árbitro: Marielson Alves Silva (BA)
Auxiliares: Gustavo Rodrigues de Oliveira e Bruno Salgado Rizo (ambos de SP)
Santos: Vanderlei, Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique, Zeca; Thiago Maia, Renato, Lucas Lima, Vitor Bueno, Gabigol; Ricardo Oliveira. Treinador: Dorival Júnior
Ponte Preta: João Carlos, Nino Paraíba, Fábio Ferreira, Grolli, Reinaldo; Matheus Jesus, Wendel, Ravanelli; Giva (Rhayner), Clayson e Pottker. Treinador: Eduardo Baptista



Corinthians x Cobresal.
.[2] [3]
Seria totalmente desnecessário escalar titulares contra o Cobresal, na noite desta quarta-feira, como o técnico Tite chegou a cogitar. Não apenas porque o Corinthians já estava classificado para o mata-mata da Copa Libertadores da América, mas principalmente em função da fragilidade do time

chileno. Em Itaquera, o líder do grupo 8 fez jus à disparidade técnica em relação ao lanterna e aplicou uma goleada por 6 a 0 (a sua maior no estádio, superando o 6 a 1 sobre o São Paulo) com os seus reservas.
O placar elástico foi configurado antes mesmo do intervalo da partida. Com dois gols de Marlone (um deles de voleio), um golaço do paraguaio Ángel Romero e outro anotado em chute de fora da área de Guilherme Arana, o Corinthians retornou para o vestiário tranquilo e festejado por sua torcida. No segundo tempo, mesmo diminuindo o ritmo, ampliou com Elias e outra vez com Romero.



Elias saiu do banco de reservas para deixar a sua marca na goleada

Elias saiu do banco de reservas para deixar a sua marca na goleada
O resultado deixou o Corinthians com 13 pontos ganhos, à frente de Cerro Porteño (10), Independiente Santa Fe (8) e Cobresal (3) e só à espera da confirmação do seu oponente nas oitavas de final da Libertadores. A preocupação agora é com o Campeonato Paulista. Às 18h30 (de Brasília) de sábado, os titulares de Tite disputarão a semifinal estadual contra o Grêmio Osasco Audax, de novo em Itaquera.
O jogo – Inspirado no ex-presidente Miguel Battaglia, o Corinthians entrou em campo com uma conhecida homenagem à torcida estampada nas costas de suas camisas: “O Corinthians é o time do povo. E é o povo quem faz o time”. Os agrados prosseguiriam com facilidade com a bola em jogo. Ao menos neste meio de semana, seria o time que impulsionaria o povo.

Do outro lado do gramado, o frágil Cobresal colaboraria para a alegria do grande público alvinegro presente em Itaquera. Como se previsse o que estava por vir, os chilenos retardaram o princípio da partida, graças a Ureña, que subiu no gramado com meiões diferentes daqueles utilizados pelos seus companheiros de equipe.



Guilherme Arana comemora gol marcado em chute de fora da área
Guilherme Arana comemora gol marcado em chute de fora da área
Bastou o problema ser resolvido para o Corinthians abafar o Cobresal. A primeira chance clara de gol surgiu com um minuto, em um venenoso chute cruzado de Guilherme Arana. Não muito tempo mais tarde, Balbuena desviou uma cobrança de escanteio com a cabeça, e Marlone completou para dentro, também pelo alto, na segunda trave. Era o princípio do massacre.
Empurrado pelos gritos de Tite e dos torcedores, o Corinthians permaneceu no campo de ataque. E ampliou o placar aos 12 minutos. Romero foi lançado em velocidade na ponta direita, invadiu a área e fez lembrar aquele atacante que chamava a atenção pelos dribles quando acabara de chegar ao Brasil. Cortou Rojas duas vezes antes de concluir com categoria e anotar um golaço.



Marlone arrisca voleio e marca golaço na Arena Corinthians
Marlone arrisca voleio e marca golaço na Arena Corinthians
Foto: Marcos Bezerra / Futura Press
A facilidade que encontrou para fazer 2 a 0 sobre o Cobresal deixou o Corinthians mais leve em Itaquera. Luciano ficou ainda mais desesperado do que o habitual para também marcar um gol. Rodriguinho se tornou displicente em algumas enfiadas de bola. Edílson – quando não era tão truculento quanto Willians – aproveitava o espaço que tinha para rebater os críticos costumeiros com boas jogadas pela direita. E, na defesa, Cássio quase dava algum ânimo aos chilenos com rebotes consecutivos e saídas de jogo atrapalhadas.

Seria quase impossível, contudo, fazer do Cobresal uma ameaça. Em um dos lances que evidenciaram a desorganização e falta de técnica dos visitantes, um locutor de rádio que trabalhava em Itaquera não se conteve e constatou com um grito espontâneo: “Que time horrível!”. Torcedores do Corinthians que estavam próximos dali começaram a gargalhar.



Marlone comemora um dos seus dois gols - um deles uma pintura
Marlone comemora um dos seus dois gols - um deles uma pintura
Foto: Reuters
O riso se transformou em vibração aos 38 minutos. Edílson recebeu passe de calcanhar de Luciano e avançou à linha de fundo antes de cruzar. Dentro da área, Marlone matou a bola no peito e emendou um voleio para fazer frente a Romero como autor do gol mais bonito da noite.

Rodriguinho não quis ficar atrás e tentou acertar a rede de cobertura quando o goleiro Cuerdo saiu jogando alto. O Cobresal acabou salvo por sua zaga. Aos 44 minutos, porém, não houve como evitar. Guilherme Arana teve muita liberdade para ajeitar a bola fora da área e finalizar dali, no canto, configurando a goleada ainda no primeiro tempo.



Romero comemora com corintianos após fazer golaço
Romero comemora com corintianos após fazer golaço
Foto: Rodrigo Coca/Agência Eleven / Gazeta Press
No segundo, o técnico Dalcio Giovagnoli tentou conter os gritos de “olé” dos corintianos e amenizar a humilhação com duas substituições. Jerez e Sarabia entraram nos lugares de Poblete e Cabión. Tite esperou um pouco – 17 minutos – para tirar proveito do jogo ganho e dar rodagem ao encostado volante Cristian, que ocupou a vaga de Rodriguinho.

Àquela altura, o Corinthians já não tinha o ímpeto da primeira etapa. Apenas Luciano continuava muito ansioso para fazer o seu gol. Cássio ainda dava um e outro sustos na torcida, mas nenhum com gravidade. Para acelerar a equipe da casa, Tite apostou na entrada do titular Elias, que teve o nome entoado pelo público, no posto de Willians.

Deu certo. Aos 29, Elias tabelou com Romero e saiu diante de Cuervo, batendo com classe. Três minutos depois, foi a vez de o paraguaio deixar a sua marca novamente. Na pequena área, ele só teve o trabalho de complementar para a rede um cruzamento rasteiro de Edílson e reavivar os gritos de “olé” para a maior goleada corintiana em Itaquera.



Romero caiu de vez nas graças do torcedor do Corinthians nesta temporada
Romero caiu de vez nas graças do torcedor do Corinthians nesta temporadaa FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 6 X 0 COBRESAL

Local: Estádio de Itaquera, em São Paulo (SP)
Data: 20 de abril de 2016, quarta-feira
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Andrés Cunha (URU)
Assistentes: Mauricio Espinosa (URU) e Gabriel Popovits (URU)
Público: 41.710 pagantes (total de 42.090)
Renda: R$ 2.635.754,50
Cartão amarelo: Benítez (Cobresal)
Gols: CORINTHIANS: Marlone, aos 8 e aos 38, Romero, aos 12, e Guilherme Arana, aos 44 minutos do primeiro tempo; Elias, aos 29, e Romero, aos 31 minutos do segundo tempo

CORINTHIANS: Cássio; Edílson, Vilson, Balbuena e Guilherme Arana; Willians (Elias), Maycon, Romero, Rodriguinho (Cristian) e Marlone (Alan Mineiro); Luciano
Técnico: Tite

COBRESAL: Cuerdo; Contreras, Rojas, Cerón e López; Ureña, Cabión (Sarabia), Poblete (Jerez), González e Benítez (Fuentes); Maldonado
Técnico: Dalcio Giovagnoli



Corinthians x Cobresal.
.[2] [3]